Total de visualizações de página

terça-feira, 15 de novembro de 2011

QUANDO O RIO GRANDE CORRE PELAS VEIAS



"Quando o Rio Grande Corre Pelas Veias", milonga em parceria com Robson Garcia, foi a vencedora da XIX Tertúlia Nativista de Santa Maria.
Gracias Robinho, Juliano Moreno, Daniel Cavalheiro e Volmir Coelho, pela dedicação e brilhantismo no palco.
Gracias, Fernando, Mano, Modesto, Guto, Saccol, Diahy, Gadea,Bibiana, Caiaffo, Volmaris, pelo apoio.
Gracias, especialmente, a minha prenda, Cláudia Albornoz, que amo cada dia mais.
Abaixo, a letra:

QUANDO O RIO GRANDE CORRE PELAS VEIAS

Nalgum fundo de campo da fronteira
Um índio bem montado mira ao longe
E a pampa inteira cabe nos seus olhos
Repletos de coxilhas e horizontes.

Há muito de querência neste homem,
Há séculos de história escrita em versos
E a herança da Campanha se reflete
Na simples amplitude de seus gestos.

A singeleza de cevar um mate
E alçar a perna pra espiar estrelas
É a liturgia do ritual campeiro
Quando o Rio Grande corre pelas veias.

Nalgum fundo de campo da fronteira
Com a proteção sagrada do chapéu
Um índio afina as cordas da guitarra
Olhando a pampa comungar com o céu.

Sou eu o homem que bombeia ao longe
Repleto de coxilhas e distâncias;
O campo é minha razão, é minha essência,
Porque eu sou eu e minhas circunstâncias.



Foto: Cláudia Albornoz

10 comentários:

  1. Parabéns pelo trabalho e pela premiação na Tertúlia, Marcelo.
    De certa forma, um ciclo que se completa. Na Tertúlia começaste e agora essa participação vai significar um novo começo.

    Grande abraço!!

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo poema! Pleno de emoção e sentimento. Eu, aqui no Campo Seco, 5. distrito de Rosário do Sul, "repleta de coxilhas e distâncias" sinto na pele e no coração esse "espiar estrêlas".. Parabéns !!!

    ResponderExcluir
  3. Gracias, Norma. Este retorno é o melhor prêmio para quem escreve. Muito obrigado!

    ResponderExcluir
  4. É o sangue que move nossas vidas. E nós temos sangue muito forte. Parabéns

    ResponderExcluir
  5. Marcelo,parabéns pela premiação.
    Abração

    Jorge Puhl

    ResponderExcluir
  6. Meire Rosane Rodrigues Torres22 de novembro de 2011 06:29

    Parabéns Marcelo e Grupo pela conquista. Mais um na minha lista de "Orgulhos Santanenses". Muito Sucesso prá vocês. Deus os ilumine nessa caminhada.

    ResponderExcluir
  7. Esta música é sensacional. Tem a cifra dela em algum site?

    ResponderExcluir
  8. Buenas!

    Tenho um programa na Rádio Univali FM, em Itajaí/SC chamado República Juliana. Semanalmente escolhemos um festival nativista e um vencedor para homenagear (nem sempre o primeiro lugar).
    Essa semana será a Tertúlia e homenagearemos você e a sua Música. E também a vencedora da 32 Coxílha Nativista.
    O programa irá ao ar no domingo às 09:00 da manhã e você poderá conferir no site: http://www.univali.br/radio
    No blog postaremos a playlist do dia e um pouco sobre o programa. Estamos ainda no sétimo programa, então há muita coisa para aprender.
    http://republicajuliana.wordpress.com/tag/radio-univali-fm/
    Espero que se sinta feliz pela homenagem, qualquer coisa, pode entrar em contato pelo e-mail do programa:
    REPUBLICAJULIANA@GMAIL.COM
    Você é um ótimo compositor. Merece mesmo essa lembrança.
    Grande Abraço. Até mais.

    ResponderExcluir
  9. Á magia de um pago santo


    Versos cheirando á campo
    Num dia de lida e mais nada
    Uma carona encostada
    Pelo trabalho ja feito
    Um pingo de arreio
    Pra um dia de namoro
    De tiro te encontro
    Buscando me encontrar
    Só me basta te sonhar
    Pra te querer mais um tanto.

    Num galpão de sentimento
    Um fogo grande pra aquecer
    O silencio pra entender
    Á magia de um pago santo
    Na solidão do teu encanto
    Pela sina de assim viver
    Á espera do amanhecer
    Pra de novo te mirar
    E quem sabe te cantar
    Num verso de amar e ser.

    Em meu silencio profundo
    Tenho carregado meu mundo
    Da maneira que me convém
    Sem medos nem porem
    Simples como o campo
    Que benze de paz e encanto
    Á sanga clara de um rio
    O mesmo que faz espelho
    Refletindo sem receio
    Os olhos de quem já partiu.

    Mas quem aqui permanesse
    Me basta por ser campo
    Tem o lumi de pirilampo
    Um céu em cada lua
    Pra te versejar chirua
    Com aroma e sabor
    Em cada face de flor
    Encontro teus encantos
    No humilde campo santo
    Onde mora meu amor.

    Escrito por: Vinicius Vieira

    Gracias querido, espero que goste!!!

    ResponderExcluir